Arquivo de fevereiro, 2013

ImagemA dica é comprar salmão defumado em fatias finas, rechear com cream cheese e enrolar como se fosse um sushi. Corte em rodelas com o auxílio de uma faca bem afiada.
Simples, fácil e garantia de sucesso com os amigos!

Anúncios

ImagemA azeitona ou oliva é o fruto da oliveira (Olea europaea), também chamado de verde-oliva. É de grande importância agrícola na região mediterrânea como fonte de óleo de oliva.

Sua coloração varia do verde aos tons acinzentados, dourado, castanho-claro, roxo ou preto. Quanto mais escuro mais tempo o fruto maturou no pé.

Cerca de 25% de sua composição é azeite de oliveira. E como todos os óleos vegetais não contém colesterol sendo rico em ácidos graxos insaturados que são benéficos para incrementar os níveis do “bom colesterol” (HDL). Apesar de benéfica a azeitona contém gordura, tornando-a muito calórica. Nutricionistas recomendam consumir o fruto moderadamente como aperitivo ou acrescentá-lo a pratos com carnes, massas, saladas, etc.

Quando própria para consumo a azeitona retirada do pé precisa ser processada. Um dos processos utilizados é próprio da região do Algarve e dá origem às azeitonas de sal.

Azeitonas de sal forma de preparo das azeitonas na região do Algarve. Como se sabe este fruto não é doce e utilizado como petisco ou como tempero, porém antes de seu consumo necessita-se curti-lo ou processa-lo para remoção do amargor característico.

Uma das formas de processar a azeitona é deixá-la imersa em água durante vários dias, porém no Algarve acrescenta-se sal de cozinha a água da curtimenta. Para a azeitona não ficar salgada é depois passada por água a ferver e novamente imersa em água e finalmente temperada com ervas aromáticas e demais especiarias.

Uma outra forma de consumir o fruto pode ser através de seu processamento em azeite de oliva, onde o fruto é prensado dando origem ao sumo.

Azeitonas De’monteco ou Azeitonas suecas, são uma variedade de azeitonas azul e roxa, pouco comercializadas devido a baixa produção e do alto custo, pois exige-se um clima frio para seu cultivo. É encontrada na Europa e na Ásia utilizado na Pasta Papal e em receitas da culinária asiática.

Na gastronomia portuguesa a azeitona é utilizada como aperitivo mas também como ingrediente de pratos típicos tais como bacalhau à Gomes de Sá.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Azeitona

A dica do Gourmand Club é fazer um Chutney de Cebola Roxa, que fica delicioso em um hambúrguer com cheddar!

A cebola roxa conta com todos os benefícios da cebola comum, além da antocianina. Veja a lista com as principais propriedades da cebola roxa:

-Previne o aparecimento de doenças cardiovasculares;
-Combate doenças respiratórias, como asma e bronquite;
-Evita alguns tipos de câncer;
-Melhora o sistema nervoso e auxilia na prevenção do Alzheimer;
-Dificulta o acúmulo de gorduras no corpo;
-Possui função antiinflamatória;
-Reduz os níveis de colesterol ruim e triglicérides no organismo;
E ainda contribui para a beleza da pele e dos cabelos.

Chutney de Cebola Roxa

Ingredientes
1 colher (sopa) de azeite
1 colher (sopa) de ghee
900 g de cebolas roxas cortadas em fatias finas
750 ml de vinho tinto
¼ xícara de vinagre de vinho tinto
6 colheres (sopa) de mel
1 colher (sopa) de gengibre picado
1 colher (chá) de sálvia picada
½ pau de canela
Sal e pimenta (a gosto)

Modo de preparo

Em uma frigideira aquecer o azeite e o ghee. Adicionar as cebolas e cozinhar até ficarem translúcidas.
Acrescentar o vinho, o vinagre, o mel, o gengibre, a sálvia e a canela.
Cozinhar em fogo baixo até reduzir (em torno de 40 minutos).
Adicionar sal e pimenta.
Refrigerar e servir.
Fonte: http://receitasenutricao.com.br/nutricao/beneficios-da-cebola-roxa/ e http://www.cheftv.com.br/receitas/chutney-de-cebola-roxaImagem

ImagemO sumagre é uma especiaria muito usada no Oriente Médio para dar acidez aos pratos. Seu sabor é frutado mas muito suave, é pouco aromático.
Ele é o fruto vermelho seco do tamanho de uma ervilha de uma árvore que cresce também na região do mediterrâneo.
Existem outras variedades da planta, algumas são muito tóxicas e são usadas somente para ornamentação.
Normalmente as frutas são secas ao sol por alguns dias e depois processadas para serem vendidas inteiras ou em pó. Mas elas também podem ser fervidas em água com galho e folhas e depois coadas para a preparação do suco do sumagre.
Antigamente os Romanos o usavam no lugar do vinagre ou limão, que só chegou séculos mais tarde. Foi muito usado como corante para couro.
O sumagre moído é normalmente adicionado de sal que age como conservante e realça o sabor. Mas o sumagre de qualidade possui pouco sal.
Algumas vezes é adicionado de óleo de algodão para deixá-lo mais escuro e com textura úmida o que pode ocasionar grumos, o que é normal.
O pó de melhor qualidade tem textura grossa e uniforme, não possui cabinhos e é de cor forte.

Usos
Misturada com iogurte e ervas aromáticas, faz um molho leve e refrescante. Sendo atualmente uma especiaria pouco comum na cozinha européia, o sumagre é fácil de ser adquirido em estabelecimentos especializados em produtos do Oriente Médio.
O sumagre é um dos ingredientes do zahtar, junto com sementes de gergelim torradas e tomilho moído, que pode ser espalhado sobre almôndegas de carne ou vegetais. Misturado com azeite, pode ser servido com pão para aperitivo. Vai bem com peixe, saladas vegetais, arroz, frangos e pratos de carne.

QUANTIDADES SUGERIDAS PARA USO EM VÁRIOS PRATOS
1/2 colher (chá) em 1112 kg de peixe.
3/4 de colher (chá) para 1 kg de carne ou kebabs.

Fonte: http://www.aromasesabores.com/2012/04/sumagre.html http://www.avitrinedosabor.com.br/de-a-a-z/1499-sumagre.html

Vinho no Verão, por quê não?

Publicado: 26/02/2013 em Bebidas

ImagemO senso comum prega que tomar vinho só é bom no inverno. Por ser uma bebida conhecida como mais encorpada (especialmente os tintos mais envelhecidos), aqui no Brasil as pessoas não têm o hábito de beber vinho em temporadas mais quentes, quando quem reina absoluta é a cerveja pilsen. Mas a bebida encaixa-se perfeitamente no nosso verão, se for tomada de forma adequada e com variações mais leves e frescas. Separamos aqui algumas sugestões para quem não quer abrir mão de uma boa taça de vinho mesmo quando o calor não dá trégua!

– Para os que têm receio de errar, uma aposta certeira são os vinhos brancos, rosés e espumantes, conhecidos por ser uma opção mais frutada, refrescante e alegre. Também podem ser resfriados em temperaturas mais baixas que os tintos; que no calor costumam dar sensação de moleza e sono.

– Como a estação também pede pratos mais frescos e leves, a melhor harmonização da bebida é com saladas, peixes e frutos do mar.

– Para os mais entendidos, a dica é procurar vinhos que apresentam maior acidez e graduação alcoólica moderada. Entre os brancos, a sugestão fica para os vinhos das cepas sauvignon blanc e chardonnay sem madeira, assim como os espumantes leves da França e proseccos italianos. Os rosés podem ser servidos em temperaturas que variam entre 7° e 14°C, e têm a vantagem de serem mais frescos do que o tinto e mais aromáticos do que o branco, harmonizando com uma extensa gama de pratos, que abrange também carnes magras e massas com molhos menos pesados e gordurosos.

– Para quem não abre mão dos tintos nem no calor, a recomendação é escolher um vinho mais jovem de boa acidez, como um Pinot Noir, servido em uma temperatura entre 14° e 16°C.

– Os espumantes e os frisantes são diferentes devido ao tipo de uva utilizada e à concentração de gás carbônico natural, sendo que os champanhes (que têm esse nome devido à sua procedência, da região de Champagne, na França) são os mais famosos.

– Outra boa opção para tornar o vinho mais agradável é utilizá-lo no preparo de drinques. O mais conhecido certamente é a sangria, de origem espanhola. Geralmente preparada com vinho tinto ou branco, frutas e um pouco de açúcar, a bebida é bastante adequada ao verão tropical. A receita tradicional leva vinho seco, frutas como laranja, abacaxi, maçã e uva, um pouco de refrigerante de limão, gelo e açúcar a gosto. Mas variações são sempre bem-vindas, é só usar a criatividade.

Fonte: http://dicas.guiamais.com.br/2012/01/13/vinho-no-verao-por-que-nao/

Waffle de Cerveja

Publicado: 26/02/2013 em Lanches, Sobremesas

Uma delícia! Sirva com calda e sorvete de sua preferência!
ImagemO Wafel (do holandês) ou waffle (também chamado gofre ou goffre, do francês gaufre, em Portugal) é um tipo de massa de origem belga, que consiste em uma massa de farinha e ovos prensada em um ferro que imprime texturas sobre a massa.
Tem origem na Idade Média, quando era usado nas igrejas como hóstia. Normalmente a imagem impressa era algum brasão ou figura relacionada ao Cristianismo. Em países como o Brasil, é comum a produção e o consumo dos biscoitos inspirados no waffel original, porém o próprio Waffle não é tão consumido aqui no Brasil como na América do Norte.

Ingredientes
2 xícaras (250 g) de farinha com fermento
350 ml de cerveja
1/2 xícara (115 g) de manteiga sem sal, derretida
1/4 xícara (60 ml) de leite
2 ovos, separados
1 colher (sopa) de mel
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Modo de preparo
Preaqueça a máquina de fazer waffle de acordo com as instruções do fabricante.
Numa vasilha, misture a farinha, a cerveja, a manteiga, o leite, as gemas, o mel e a baunilha. Mexa até formar uma massa lisa.
Em uma tigela separada, bata as claras em neve.
Delicadamente misture as claras na massa.
Coloque a massa na máquina para waffle cozinhe até ficar dourado e crocante.
Sirva imediatamente.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/ 
http://www.almanaqueculinario.com.br/

ImagemInventados na Europa por volta de 300 anos atrás, mais precisamente na Irlanda, os primeiros cupcakes que se tem notícia eram feitos por nobres e conhecidos pelo singelo nome de bolo das fadas (FairyCakes).
O nome cupcake foi dado por duas razões distintas e que se completavam. Uma razão eram as medidas feitas baseadas em um copo (xícara) e a outra é referente aos números presentes nas receitas tradicionais.

Ingredientes

*Massa:
225g de farinha de trigo
160g de açúcar refinado
120 g de manteiga integral sem sal derretida
120 ml de leite integral
1 ovo
10g de fermento em pó químico
1 colher de café de baunilha

*Ganache:
400g de chocolate branco
250 ml de leite integral
100g de manteiga sem sal derretida

*Recheio:
1 lata de leite condensado
1 limão siciliano
50g de manteiga sem sal

Instruções

Massa:
Adicione o ovo, o açúcar, a manteiga e o leite e misture bem com o batedor de mão.
Adicione a farinha peneirada junto aos líquidos misturados anteriormente e finalize com o fermento.
Coloque as forminhas para cupcake dentro da assadeira e complete com a massa até a metade de cada forminha.
Leve para assar em forno pré-aquecido a 180ºC por 15 a 20 minutos.

Ganache:
Pique o chocolate e coloque em uma tigela, aqueça o leite com a manteiga até ficar morno, adicione na tigela com o chocolate e deixe derreter.
Em seguida, com a ajuda do mixer, bata até ficar liso. Leve a geladeira até ficar em consistência cremosa.

Recheio:
uma panela, adicione o leite condensado, com a manteiga e misture em fogo médio até um ponto antes do brigadeiro; para ficar cremoso.
Deixe esfriar para rechearmos.

*Decoração:

Finalização Retire os cupcakes assados do forno e deixe esfriar.
Faça um buraco no centro dos cupcakes e recheie.
Coloque a ganache em um saco de confeitar e faça a cobertura deles. Salpique confeitos coloridos e está pronto!

Fonte: http://receitadecupcake.com/