Arquivo de abril, 2013

Canela

Publicado: 03/04/2013 em Dicas e Conhecimentos

ImagemA caneleira (Cinnamomum zeylanicum, sinônimo C. verum) é uma pequena árvore com aproximadamente 10–15 m de altura. É nativa do Sri Lanka, no sul da Ásia. 
A canela é a especiaria obtida da parte interna da casca do tronco.
A canela é conhecida desde da antiguidade e foi tão valorizada que era considerada um item a ser presenteado a monarcas e outros dignitários.
É mencionada em Êxodo 30:23, quando Deus ordenou a Moisés o uso da canela doce/salgada (em hebraico: קִנָּמוֹן qinnāmôn) e cássia, e em Provébios 7:17-18, quando o leito nupcial é perfumado com mirra, aloe vera e canela. Também se encontra mencionada por Heródoto e outros escritores clássicos.
No início do século XVI era trazida por comerciantes portugueses diretamente do Ceilão (atual Sri Lanka, no sul da Ásia), chegando um quilograma a valer dez gramas de ouro. O comércio português no Oriente foi perdido progressivamente para a Companhia das Índias Orientais, holandesa, que se assenhoreou dos entrepostos portugueses na região a partir de 1638. As margens da ilha estão repletas dessa planta, relatou um capitão holandês, e é a melhor de todo o oriente: quando uma pessoa está no litoral, pode-se sentir o aroma a oito léguas de distância. 

Fonte: http://pt.wikipedia.org/

Anúncios

ImagemOs astecas já conheciam as favas de cacau. Com elas, faziam um líquido escuro que chamavam de tchocolatl. Em 1502, a ilha de Guanaja, habitada pelos astecas, povo místico e religioso, recebeu a esquadra de Colombo. O navegador foi um dos primeiros europeus a provar o sabor do chocolate. 

O chocolate passou a se difundir pelo mundo a partir do século XVI, quando o conquistador espanhol Hernán Cortés conheceu-o na corte de Moctezuma II no México e o levou para a Europa. Naquela época os astecas tomavam-no como uma bebida amarga e fria, preparada a partir da fruta do cacaueiro, árvore nativa das regiões tropicais da América, chamando-se xocolatl ou chocoatl (água amarga), e levava até pimenta e outras especiarias. Ao se difundir pela Europa, transformou-se e aprimorou-se. Na Espanha, perdeu a adição de pimenta e recebeu açúcar, canela e baunilha.

No início do século XVII, viajantes e comerciantes introduziram-no na Alemanha, França e Itália. A primeira casa dedicada em exclusivo ao chocolate abriu em Londres, em 1657, por mão de um francês. Na época era uma bebida muito comum destinada às classes altas devido ao seu preço. Em 1659, David Chaillou começou a vender em Paris as primeiras tortas de chocolate. Uma década depois o chef Lassagne, que trabalhava para o duque de Plessis-Praslin, criou o primeiro bombom, coberto de caramelo. 

O chocolate é um alimento muito nutritivo. Contém proteínas, gorduras, cálcio, magnésio, ferro, zinco, caroteno, vitaminas E, B1, B2, B3, B6, B12 e C. Estudos recentes sugerem a possibilidade de o consumo moderado de chocolate preto e amargo trazer benefícios para a saúde humana, nomeadamente devido à presença de ácido gálico e epicatecina, flavonóides com função cardioprotectora. Sabe-se que o cacau tem propriedades antioxidantes. O chocolate constitui ainda um estimulante devido à teobromina, embora de fraca capacidade. O chocolate também possui endorfina.

Fonte: Por Paulo Pinheiro, em http://hipermidia.unisc.br/

ImagemIngredientes:
1 cauda de lagosta
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 colher (sopa) de manteiga
Sumo de 1 limão siciliano
Raspas da casca de ½ limão siciliano
250 ml de creme de leite fresco
50 g de manteiga sem sal gelada em cubos
3 batatas pequenas
sal
1 colher (sopa) de leite integral
1 colher (chá) de manteiga
1 colher (chá) de pasta de wasabi
Sal e pimenta-do-reino (moída na hora, de preferência)

Modo de fazer:
Descasque e pique as batatas e leve-as a cozinhar em água e sal. Escorra e esprema as batatas, juntando o leite. Incorpore a manteiga, misture o wasabi, prove (se quiser mais picante, ponha um pouco mais) e sirva.

Enquanto cozinha as batatas, prepare o molho. Ferva o sumo do limão até reduzir à metade. Junte o creme de leite e ferva, até reduzir pela metade novamente. Incorpore, aos poucos, a manteiga gelada, batendo com um batedor de arame. Acerte com sal e pimenta e mantenha o molho aquecido em banho-maria.

Corte a cauda de lagosta ao meio, no sentido do comprimento – com a carapaça e tudo (um macete é enfiar a ponta da faca e martelar levemente em cima). Retire as duas tripas que nesse corte ficarão nas laterais. Aqueça o azeite numa frigideira e ponha as duas metades para grelhar, com o lado da carne para baixo. Junte a manteiga e deixe até dourar a carne – alguns poucos minutos. Vire do outro lado, grelhe a carapaça e somente aí tempere com sal e pimenta-do-reino.

Monte o prato com as duas metades da cauda de lagosta entrelaçadas, regue com um mínimo do molho por cima e ajeite ao lado o purê com um anel. Sirva o vinho e bom apetite.

Rendimento: 1 porção.

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/blog/paneladoanacreon/

ImagemIngredientes
300 g de polpa de framboesa
700 g de chocolate ao leite
500g de chocolate amargo
80 g de açúcar invertido (ou mel)
100 g de manteiga
30 g de álcool de framboesa
200 g de cacau em pó

Modo de preparo
Pique o chocolate.
Ferva a polpa com o açúcar invertido e coloque no chocolate, misture e acrescente manteiga e álcool
Coloque na geladeira até endurecer e formar bolinhas
Derreta os 500 gramas de chocolate amargo no banho-maria e acrescente 100 gramas de chocolate amargo picado e misture bem.
Mergulhe as bolinhas no chocolate e coloque-as no cacau em pó.
Peneire e sirva.

Fonte: http://www.almanaqueculinario.com.br/

ImagemIngredientes
1kg de filé de salmão
100ml de azeite
150g de shimeji
150g de shitake
25g de alho
80g de cebola
400g de mandioquinha
1/2 maço de couve
200ml de caldo de peixe
1 limão 

Modo de preparo
Tempere os filé com sal e limão a gosto, grelhe e enrole em folhas de couve ferventada.
Cozinhe a mandioquinha até desmanchar e tempere com sal e azeite.
Coloque a mandioquinha no meio do prato. 

Molho
Refogue o shitake e o shimeji com alho e cebola, adicione o caldo de peixe.
Monte os filés em uma travessa e adicione o molho.
Sirva em seguida. 
Rendimento: 5 porções

Fonte: Comida e Receitas – http://www.comidaereceitas.com.br/peixes/salmao-grelhado-ao-molho-de-cogumelos.html#ixzz2OZVtfCU9

ImagemNO MERCADO 
– Para saber se estão frescos, verifique se os camarões mantém o corpo em curva e a cabeça grudada ao corpo.
– Cheiro suave e casca brilhante também indicam frescor. Se os crustáceos parecerem secos e tiverem manchas pelo corpo, já estão em processo de deterioração. 
– Antes de sair para comprar camarão, tenha em mente o que vai preparar. Os miudinhos são mais apropriados para recheios de pastéis, croquetes, molhos e aperitivo – fritinhos no azeite e com bastante alho. Já os graúdos, que são bem mais caros, ficam melhores em receitas onde são os protagonistas, como os camarões ao champanhe, à provençal e as moquecas. 
– Os crustáceos de mar são mais saborosos e têm aspecto melhor. Apesar de mais baratos, os de água doce são mais escuros e sem graça. 
– É muito mais fácil ter certeza de que o produto está fresco quando ele está inteiro. Cabeça e rabo escuros são indícios de deterioração. 
– Aproveite as cabeças dos camarões. Como guardam muito sabor, rendem ótimos caldos e molhos. 
– Camarões congelados sempre têm perda de sabor e de textura. Mas, em geral, são processados com mais cuidado do que os frescos, que podem ficar muito tempo expostos à contaminação e fora da temperatura ideal.

NA COZINHA 
– Se estiverem congelados, o recomendável é descongelar os camarões dentro geladeira. Tire o pacote do freezer na noite anterior ao preparo e coloque-o na porta de baixo do refrigerador. Esse é um processo que deve ser feito lentamente. 
– Camarões inteiros só precisam ser limpos se forem médios ou grandes. Os pequenos podem ser consumidos inteiros. Nos maiores, o importante é retirar a cabeça e a tripa, fazendo uma incisão na casca. A tripa é o trato intestinal do camarão, um veio negro que percorre o corpo todo do crustáceo e pode ser facilmente identificado. Se não for retirado, a receita fatalmente ficará com sabor desagradável e amargo. 
– Durante a limpeza, é preciso cuidado para que os crustáceos não sejam contaminados por bactérias. Deixe-os de molho em uma tigela com água gelada e, à medida que for limpando, transfira-os para outro recipiente também com água gelada. Deixá-los expostos à temperatura ambiente é pedir para que virem um meio de cultura para microrganismos. 
– Na hora de cozinhar, fritar ou grelhar, preste muita atenção: os camarões têm uma carne que cozinha muito rápido. Se você relaxar, ela pode passar do ponto. O ideal é dourá-lo rapidamente dos dois lados. 
– Se o óleo, a água ou mesmo a panela onde for preparar os camarões não estiverem muito quentes, eles vão soltar água, não vão cozinhar por igual e terão sua textura comprometida. Além de rápido, o cozimento precisa de muito calor. 
– Assim que eles mudam de cor e ficam mais branquinhos e alaranjados ou rosados, estão prontos. Dependendo da receita, vale até a pena colocar o camarão recém-cozido em uma tigela com água e gelo. Isso vai interromper o cozimento, deixar a carne mais crocante e as cores vivas.
– Se for usar o camarão em molhos, adicione-os à receita apenas no final, desligando o fogo depois que forem acrescentados. 
– Tempere-os com sal depois que estiverem cozidos ou no final do processo de fritura. Se eles chegarem temperados à panela, estarão predispostos a perder líquido.

Fonte: Por Kike Martins da Costa, em http://comida.ig.com.br/

ImagemIngredientes
Serve: 4 porções

60 ml de suco de laranja
60 ml de molho de soja
2 colheres (sopa) de azeite
1 colher (sopa) de suco de limão
2 colheres (sopa) de salsa picada
1 dente de alho, picado
1/2 colher (chá) de orégano fresco picado
1/2 colher (chá) de pimenta-do-reino moída
450 g de postas de atum fresco

Modo de preparo
Prep: 10 min | Cozimento: 11 min | Tempo adicional: 30 min

1. Em um travessa de vidro ou cerâmica, faça um molho misturando o suco de laranja, o molho de soja, o azeite de oliva, o suco de limão siciliano, a salsa, o alho, o orégano e a pimenta-do-reino. Coloque as postas de atum neste molho e vire-as para que os dois lados absorvam o molho. Tampe a travessa e mantenha-a na geladeira por pelo menos 30 minutos.
2. Preaqueça a grelha em temperatura alta.
3. Unte a grelha com um pouco de óleo. Grelhe cada lado do atum por 5 a 6 minutos, ou de acordo com o seu gosto. Enquanto o atum estiver grelhando, regue-o com o molho usado para mariná-lo. Jogue fora o molho que sobrar.

Fonte: http://allrecipes.com.br/